Trending:

Por que os fundos de capital de risco estão subitamente migrando para negócios de mineração?

Rosie Bradbury
Source: PitchBook data
Geography: Global

A mineração é um setor legado por excelência, controlado por um pequeno grupo de empresas arraigadas e altamente emissoras, como a Rio Tinto e a BHP. As novas empresas têm se esforçado para superar os altos custos necessários para interromper as tecnologias extrativas tradicionais.

Não é de se admirar que, historicamente, os investidores de risco tenham se afastado do setor.

Mas, atraídos pelas inovações, os investidores de risco estão identificando a necessidade amplamente reconhecida de mais minerais essenciais para alimentar a transição energética, desde o lítio nas baterias de veículos elétricos até o cobre necessário para atualizar a rede elétrica.

A Agência Internacional de Energia estima que a economia global precisará de seis vezes mais insumos minerais em 2040 do que hoje para atingir a meta global de zero líquido (equilíbrio entre a quantidade produzida de gás do efeito estufa e a parcela removida da atmosfera) até 2050.

No início deste mês, a TechMet, um veículo de investimento para lítio, níquel e outros metais raros, levantou US$ 200 milhões em capital novo de investidores, incluindo a S2G Ventures e a Lansdowne Partners, o que quase a levou ao status de unicórnio.

A Breakthrough Energy Ventures, de Bill Gates, apoiou a KoBold Metals, que usa aprendizado de máquina para identificar com mais eficiência depósitos de metais em terras raras. A KoBold levantou US$ 195 milhões em junho, com uma avaliação de US$ 1 bilhão.

Caça ao tesouro

O investimento de capital de risco em mineração ainda está em seus primeiros passos. O burburinho entre os parceiros de capital de risco ainda supera em muito os cheques assinados, de acordo com Aidan Madigan-Curtis, sócio da Eclipse Ventures.

As negociações em 2023 estão superando as do ano passado – um indicador significativo, dado o ambiente de arrefecimento na captação de recursos. Até o momento, neste ano, as empresas de mineração conseguiram mais de US$ 550 milhões em financiamento de capital de risco, em comparação com os US$ 508 milhões que o setor arrecadou nos três primeiros trimestres do ano passado.

Limitação dos custos ambientais

O setor de mineração tem um histórico notoriamente ruim de danos ambientais, e os investidores precisam estar cientes dos riscos envolvidos na exploração de minerais críticos, disse Caroline Avan, pesquisadora do Business & Human Rights Resource Centre, uma organização sem fins lucrativos que acompanha o impacto da exploração de minerais críticos. O centro registrou 21 alegações de abusos de direitos humanos por empresas de mineração de lítio.

Cenários que preveem a explosão da demanda por minerais essenciais “podem ser profecias que se autocumprem”, disse Avan, de modo que os investidores também devem buscar soluções que reduzam a demanda, bem como soluções que ampliem o suprimento por meio de extração adicional.

Por exemplo, a Redwood Materials, especialista em reciclagem de baterias, é uma das start-ups de tecnologia climática mais bem financiadas no mercado privado. Na terça-feira, ela fechou uma rodada de ações de mais de US$ 1 bilhão liderada pela Goldman Sachs Asset Management, pelo Capricorn’s Technology Impact Fund e por fundos e contas assessorados pela T. Rowe Price.

“A questão não é como fazer o reshore de forma copiada e colada, mas como fazer isso nos EUA de uma forma que funcione para nosso ambiente regulatório, para a saúde e a segurança humana”, disse Madigan-Curtis. A regulamentação sobre a exploração de minerais críticos ainda precisa ser atualizada para as startups em rápido crescimento, portanto, os investidores ainda devem estar preparados para mudanças no cenário regulatório.

Garantia de recursos

A outra peça do quebra-cabeça, que está elevando o hype do VC, é que a mineração de minerais essenciais é agora mais amplamente reconhecida como uma questão de segurança nacional.

A China domina a cadeia de suprimentos de lítio, e as nações cada vez mais consideram o acesso a minerais críticos como uma prioridade de segurança nacional. No ano passado, o banco de desenvolvimento do governo dos EUA investiu US$ 30 milhões na TechMet e espera investir mais US$ 80 milhões este ano.

A Aether, uma startup que desenvolve tecnologia que requer técnicas menos extrativas para a mineração de lítio em solo americano, anunciou recentemente uma Série A de US$ 49 milhões liderada pela Natural Capital e pela Unless.

“Os minerais críticos têm tudo a ver com a bifurcação com a China”, disse Katie Rae, sócia-gerente da The Engine, uma empresa de risco criada pelo MIT que investe em startups em estágio inicial. “Há vulnerabilidade se você não controlar a cadeia de suprimentos, ponto final, fim da história. É por isso que é um grande problema”, acrescentou Rae.

Conteúdo em Destaque