Trending:

Comissão de Valores Mobiliários dos EUA adota novas regras para grupos de private equity, capital de risco e fundos de hedge

No mês passado, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA adotou novas regras abrangentes para grupos de private equity, capital de risco e fundos de hedge.

Os grupos de private equity, capital de risco e fundos de hedge estão se preparando para gastar bilhões de dólares em consultoria jurídica e de conformidade, à medida que lidam com as maiores mudanças regulatórias que atingiram o setor desde as consequências da crise de 2008. A decisão da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA de adotar novas regras abrangentes para o setor de fundos privados está fazendo com que alguns gestores de fundos menores procurem seus primeiros conselheiros gerais e diretores de conformidade em tempo integral.

A Comissão conhecida nos Estados Unidos como SEC (ou US Securities and Exchange Commission) estimou, como parte de seu processo de elaboração de regras, que as novas exigências para declarações de auditoria e relatórios trimestrais de desempenho custariam ao setor US$ 961 milhões por ano. As regulamentações sobre o tratamento desigual dos investidores, bem como os custos adicionais de pessoal e jurídicos relacionados à divulgação das despesas dos fundos, custariam outros US$ 938 milhões.

Esses custos não incluem o aumento dos gastos com regras de marketing mais rígidas que as empresas tiveram de começar a cumprir no final do ano passado, bem como as novas emendas ao “formulário FP” que exigem a rápida divulgação regulatória de grandes perdas e outros eventos importantes. É provável que os administradores de fundos privados empenhados em aumentar o número de funcionários busquem profissionais dos departamentos jurídico e de conformidade dos bancos e administradores de ativos tradicionais, bem como da própria SEC.

Os planos de gastos e recrutamento estão avançando, apesar de seis grupos do setor terem entrado com uma ação para impedir que as novas regras de fundos privados entrem em vigor. As empresas estão preocupadas com o fato de que uma derrota no tribunal as deixaria despreparadas para implementar as novas regras até a data de entrada em vigor, prevista para aproximadamente um ano a 18 meses,
dependendo do tamanho do fundo.

 

Fonte: © Graeme Sloan/Bloomberg para Financial Times

Conteúdo em Destaque