Trending:

As 8 previsões para o futuro do ChatGPT e da IA generativa no marketing e no varejo, segundo boletim informativo eMarketer Daily

Artigo publicado originalmente no boletim informativo eMarketer Daily apresenta as 8 previsões para o futuro do ChatGPT e da IA generativa no marketing e no varejo.

À medida que a IA amadurecer, ela se tornará mais especializada, automatizando tarefas rotineiras, introduzindo a
personalização e mudando a forma como os consumidores, varejistas e profissionais de marketing usam a Internet. Aqui estão
oito previsões para esse futuro não tão distante.

1. As empresas de IA terão altos e baixos
Entramos em uma “nova era da Internet”, de acordo com o analista do e-marketer, Yoram Wurmser, mas isso não significa
que tudo que reluz continuará sendo ouro.
Os gastos com IA em todo o mundo aumentarão para US$ 154 bilhões este ano, um salto de mais de US$ 30 bilhões em relação ao ano anterior. Mas isso também eliminará as empresas com baixo desempenho.
“Este é o oeste selvagem das empresas de IA no momento”, disse Wurmser. “Se você puder mostrar que tem um aplicativo para IA, estará recebendo dinheiro neste momento. Porém, muitas dessas empresas são construídas sobre bases bastante superficiais que podem ser substituídas pela próxima geração de IA.”

2. Os modelos ficarão mais especializados
No momento, alguns modelos de IA apresentam um amplo espectro de recursos, mas, em um futuro próximo, os sistemas individuais se tornarão mais especializados.
“Acho que haverá muita ênfase não na criação de modelos cada vez maiores, mas na criação de modelos que estejam mais bem alinhados com os objetivos das pessoas que estão interagindo com eles”, disse Wurmser. Por exemplo, um sistema de IA para profissionais de marketing seria calibrado especificamente para conduzir, medir e responder a KPIs, como cliques ou conversões.
A IA especializada marcará uma mudança da experimentação para o aumento da eficiência, mas isso também pode levar à perda de empregos.

3. A IA assumirá o controle de tarefas rotineiras
A IA tem a capacidade de assumir tarefas como a criação de planilhas, a elaboração de pequenas alterações em publicações sociais e listagens de varejo e na compilação de dados.
“Acho que ela terá um impacto enorme na inovação e na produtividade”, disse Wurmser.
Mas as empresas também podem se apoiar na IA para serem criativas, deixando os humanos com o trabalho pesado de dar suporte à IA.

5. A engenharia de prompts informará a qualidade do conteúdo da IA
Com os modelos atuais de IA, a redação de prompts é uma habilidade necessária. De acordo com o analista, Dan Van Dyke, os profissionais de marketing de conteúdo deverão especificar estruturas, escolhas de verbos, perspectivas e detalhes ao trabalhar com IA. Por exemplo: como pedir ao ChatGPT para escrever como um profissional de marketing com 20 anos de experiência ou especificar que o texto deve ser engraçado e leve.

“Esses descritores extras que você pode usar para solicitar ao engenheiro fazem toda a diferença quando se trata de qualidade”, disse ele.

6. Os consumidores esperarão divulgações sobre IA
Os consumidores já têm pouca confiança na Big Tech. “Todas essas empresas têm uma grande tarefa pela frente para garantir que o que estão fazendo com a IA seja divulgado de forma muito clara para os consumidores que estão interagindo com elas”.
Um influxo de IA pode fazer as pessoas pensarem que todo o conteúdo é produzido pela IA, o que pode comprometer a relação de confiança com a empresa.
Ou há uma chance de os consumidores ignorarem completamente o conteúdo de IA de baixa qualidade. “E, se houver muito mais conteúdo disponível, você, como consumidor, não perceberá necessariamente, pois não terá mais tempo para prestar atenção a ele”.

7. Os seres humanos preencherão as lacunas em coisas que a IA não pode fazer
A IA acabará superando muitas de suas deficiências, mas, do jeito que está, os seres humanos ainda desempenham papéis necessários para garantir a privacidade, a precisão e a autenticidade dos dados da IA.
Uma das limitações do ChatGPT é a privacidade. “O ChatGPT é muito explícito quanto à propriedade de todos os dados que você fornece a ele”, disse Van Dyke. Isso significa que as empresas precisam ter cuidado com o compartilhamento de informações dos clientes.
“Acho que isso é particularmente preocupante para os varejistas de regiões com leis rigorosas de privacidade de dados, como a UE, e os órgãos reguladores já estão se interessando um pouco por isso”.
A IA também corre o risco de plágio ou até mesmo de ser chamada de “mentirosa”.
“A supervisão do varejista é importante para garantir que não esteja sendo produzido conteúdo desalinhado com o que deseja fazer, que o conteúdo não esteja fornecendo informações falsas e que não esteja plagiando outra coisa”, disse Wurmser. É importante os usuários ficarem atentos à “alucinação”, ou falsidade total, e ao “viés algorítmico” da IA.
Além disso, a IA não pode oferecer atendimento ao cliente de alta qualidade em todos os casos. “A tecnologia também carece do tipo de inteligência emocional e empatia para lidar com situações em que o consumidor talvez esteja ficando um pouco frustrado ou com reclamações realmente diferenciadas”, disse Wurmser.

8. O Auto-GPT vai virar tudo de cabeça para baixo
É difícil fazer previsões precisas sobre a IA no marketing e no varejo, porque essa área está mudando muito rapidamente. Mas é certo que a IA funciona de forma autônoma sem ou com pouca intervenção humana, e que transformará a maneira como as pessoas usam a IA. O Auto-GPT pode ser capaz não apenas de elaborar um plano de negócios, mas também de realizar tarefas intermediárias, ou pode criar uma coleção de prompts de geração de imagens e, em seguida, gerar essas imagens.
“Esse caso de uso distante talvez não esteja tão distante no futuro”, diz Van Dyke, e por isso é bom manter a mão no pulso da IA.

Conteúdo em Destaque